• Da redação

Protetoras exigem retomada imediata do Programa de Castração em Ubatuba

Presentes na Sessão de Câmara ocorrida na noite de terça-feira (20), protetoras e cuidadoras de animais também aumentaram o coro de insatisfação com o chefe do executivo, que permeou as falas de vereadores e ocupantes da Tribuna popular na 6ª Sessão da Casa de Leis.

Bradando pela retomada imediata do programa de castrações de cães e gatos, as protetoras que têm espalhado pelas redes sociais a hashtag #CASTRAÇÃOUBATUBA, marcaram presença e se pronunciaram contra a inércia da prefeitura sobre a paralisação do programa, que acontece há cerca de 4 meses e o sucateamento da antiga unidade móvel (trailer) de castração.

Segundo Sandra Rocha, "a castração de animais, além de uma questão séria de saúde pública, é também um ato de amor pois cães e gatos sofrem com abandono e maus tratos de suas ninhadas e de si próprios". Agravada pelas enchentes que aconteceram em Ubatuba, a situação se tornou ainda mais precária e desesperadora. As cuidadoras têm tentado se desdobrar para suprir a lacuna do poder público inerte, mas alegam ser simplesmente impossível.

Ainda segundo Sandra, que atualmente cuida de muitos animais abandonados em sua própria casa, a cidade não pode mais conviver com a paralisação do programa. “Estamos vivemos a pior gestão para causa animal da história da cidade. A Prefeitura alega não ter verbas e não ter profissional qualificado para realizar as castrações mas estamos ouvindo isso há quatro meses. Sabemos, porém, que existe solução técnica, mas o que falta é vontade política”, salientou a protetora

O trailer adquirido na gestão do então prefeito Eduardo César se deteriorou sem manutenção no pátio da prefeitura. E, segundo a cuidadora, as notícias sobre a vinda de um novo castramóvel não são claras.

Muito antes da obrigatoriedade de castrações instituída pela lei federal número 13.426, de 30 de março de 2017, Ubatuba havia implementado um programa que atendia animais de norte a sul do município e orientava sobre a posse responsável.

A realidade da demanda por castrações aumentou muito na cidade. Os reflexos dessa paralisação já podem ser vistos nas ruas e nas praias do município. "É muito grande o número de filhotes e fêmeas prenhas abandonadas ou em condições precárias. Notamos uma total falta de vontade política do executivo para resolver essa questão. Eles não querem mudar essa situação, por isso estamos buscando um Termo de Ajuste de Conduta (TAC) com o Ministério Público para que o prefeito seja obrigado a executar o programa de castrações sem interrupções no município”, enfatiza Sandra.

"Não vemos movimentação real por essa causa nem no executivo, nem no legislativo. Estamos pedindo socorro pois vivemos de bazares e doações e nem se quer somos uma ONG, somos protetoras independentes. A lista de espera por castrações já possui cerca 500 animas inscritos, caso somente essas fêmeas tenham filhotes nesse ano, teremos uma média de quatro mil filhotes para alimentar e encontrar um lar. A castração é direito dos animais e dever do Poder Público. É uma vergonha, falta vontade política real de resolver esse problema!” finalizou a protetora independente.

Em virtude das chuvas, realiza-se campanha para castração de fêmeas no bairro Sesmarias. Sabia mais aqui.

Posts Relacionados

Ver tudo
[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.

[ Últimas Notícias ]________________________