• Fonte: DW

STF adia julgamento sobre recurso de Lula

Julgamento sobre habeas corpus preventivo solicitado pela defesa do ex-presidente será retomado em 4 de abril. Maioria dos ministros aprova, porém, liminar que impede prisão do petista até fim da votação na Corte.

Em janeiro, Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão

A maioria dos ministros do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu nesta quinta-feira (22/03) adiar o julgamento de um pedido do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva para impedir sua eventual prisão após o fim dos recursos em segunda instância contra sua condenação por corrupção passiva e lavagem de dinheiro. O julgamento será retomado no dia 4 de abril, depois do feriado de Páscoa. A maioria dos ministros do STF decidiu, porém, conceder uma liminar que impede a prisão de Lula até a decisão final da Corte sobre o habeas corpus preventivo. O julgamento nesta quinta-feira analisou somente uma preliminar da ação e não chegou a entrar no mérito do pedido. A discussão se o habeas corpus deveria ser julgado ou não durou cerca de duas horas. O ministro Marco Aurélio solicitou, então, a suspensão da sessão, argumentando que tinha uma viagem marcada devido a um compromisso de trabalho. A presidente do STF, ministra Cármen Lúcia, colocou o pedido em votação. Os ministros Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Luís Roberto Barroso e a própria Cármen Lúcia votaram por continuar o julgamento. A maioria – Luiz Fux, Rosa Weber, Dias Toffoli, Ricardo Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello – optou, no entanto, por adiar a sessão. Diante do adiamento, o advogado de Lula, José Roberto Batochio, pediu ao STF que concedesse ao menos uma liminar para impedir a prisão do petista até o fim do julgamento na Corte. Na próxima segunda-feira, o Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) julgará os últimos recursos do ex-presidente nesta instância. Depois disso, a prisão de Lula poderia ser decretada imediatamente. Por seis votos a favor e cinco contra, os magistrados decidiram conceder a liminar a Lula por entender que o petista sairia prejudicado com o adiamento. Rosa Weber, Toffoli, Lewandowski, Gilmar Mendes, Marco Aurélio e Celso de Mello foram a favor do pedido. "É difícil me imputar simpatia pelo PT, como todo mundo sabe. Cito Ruy Barbosa: ‘Se a lei cessa de proteger os nossos adversários, cessa virtualmente de nos proteger", destacou Gilmar Mendes ao votar. Já Fachin, Moraes, Barroso, Fux e Cármen Lúcia foram contra a liminar. "Considero irrelevante o fato de se tratar de um ex-presidente da República. Acho que ele tem que ser tratado como qualquer brasileiro, há uma jurisprudência em vigor e não vejo nenhuma razão para concessão de liminar", argumentou Barroso. Para evitar a prisão do petista após o término do processo em segunda instância, a defesa apresentou um pedido de habeas corpus ao STF já no início de fevereiro. O ministro Edson Fachin negou o pedido, mas remeteu uma decisão final ao plenário da Corte, que, sob pressão, marcou o julgamento nesta quarta-feira.

Condenação No dia 24 de janeiro, Lula foi condenado em segunda instância a 12 anos e um mês de prisão pelos desembargadores do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) no caso que envolve suspeita de pagamento de propina por meio de um apartamento tríplex no Guarujá. Além de explorar a via do STF, logo após a condenação, a defesa de Lula havia entrado com um primeiro pedido de habeas corpus preventivo no Supremo Tribunal de Justiça (STJ). Na ocasião, o vice-presidente do STJ, Humberto Martins, negou o pedido em decisão provisória. A defesa recorreu, levando o caso a ser analisado pela 5ª Turma do STJ, que, no início de março, negou novamente a solicitação. Lula também ainda recorre da sentença no próprio TRF-4, mas como a decisão pela condenação no tribunal foi unânime, o pedido da defesa serve apenas para ganhar tempo e esclarecer alguns pontos da sentença, sem possibilidade de mudar o resultado. Em tese, o presidente pode vir a ser preso quando esse procedimento acabar. A possibilidade de prisão ocorre em função de uma decisão STF de 2016, que validou a prisão de condenados em segunda instância, mesmo que ainda existam opções de recursos em instâncias superiores.

[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.

[ Últimas Notícias ]________________________