• Da redação

“Jamais vi uma situação de abandono tão grande da nossa cidade”, afirmou o vereador Bibi Índio (MDB)

“Que o prefeito explique certinho o que ele foi fazer nos Estados Unidos enquanto nossa cidade estava em estado de emergência, enquanto a gente ficou nos bairros preocupados com as pessoas. E se acontecesse uma tragédia? O capitão não pode abandonar o barco!”

Vereador Bibi Índio (MDB) - Foto: Divulgação

Na última sessão de Câmara realizada na terça-feira (20), a população mobilizada organizou-se ocupando cadeiras disponíveis na Sala Washington de Oliveira. Movidos por diversas insatisfações, os munícipes foram até a sessão para ouvir dos vereadores posicionamentos sobre acontecimentos que marcaram a agenda política da cidade.

O inexplicável fechamento pelo prefeito Délcio Sato (PSD) do curso técnico oferecido aos jovens ubatubenses, as manifestações de opinião sobre o desempenho do prefeito e parlamentares na internet, a inércia e incompetência da prefeitura municipal diante do programa de castrações de cães e gatos e a retirada do benefício da cesta básica concedida ao servidor público foram alguns dos temas abordados na sessão.

Após o uso da tribuna popular por dois munícipes, os vereadores explanaram sobre suas atividades. Porém, dessa vez, visivelmente descontentes com a midiática agenda de Sato, os vereadores criticaram e questionaram o abandono e a distopia entre a Ubatuba das redes sociais do prefeito e a Ubatuba que todos os munícipes encaram pela manhã ao sair de casa: ruas intransitáveis, inundações e serviços de Educação, Saúde e infraestrutura urbana precários. "Uma cidade sem comando", declarou enfaticamente o vereador Bibi Índio.

"Nenhuma realização sequer em dezessete meses de altos salários. Esse prefeito, sinceramente, ainda não mostrou a que veio. Tenho votado com o governo para uma cidade melhor, mas a tolerância está no fim, está no limite” - afirmou o vereador Bibi (MDB). “Não sei a pressão que os outros vereadores estão sofrendo, mas eu estou. E é muito grande. Jamais vi uma situação de abandono tão grande da nossa cidade”, afirmou o vereador.

Inércia e ineficiência administrativas

“Assim que o prefeito é eleito tem três meses para se organizar” (referindo-se ao período de transição, entre outubro e dezembro) – continuou o vereador, manifestando a insatisfação da população com as desculpas infundadas do executivo que o governo Sato tem proferido para justificar a falta de compromisso com a população.

O prefeito Sato, em suas manifestações públicas, alega reiteradamente um déficit orçamentário deixado pelo então prefeito Maurício Moromizato, como motivo da falta de ação da prefeitura. Porém, essas ações apostam na ingenuidade e desconhecimento da população sobre a administração pública e sobre a lei de responsabilidade fiscal.

O vereador Bibi Índio levantou outras questões como o cancelamento do curso técnico oferecido aos jovens de Ubatuba. Em nota oficial, a prefeitura alega não ter obrigação constitucional de tratar do assunto e nega-se a dispor cerca R$ 40 mil para manter os alunos e as aulas. Mas, como apontado pelo vereador Bibi, a mesma prefeitura dispendeu cerca de R$ 350 mil dos cofres públicos com propaganda. O vereador também foi enfático em questionar a compra de carro de luxo no valor de R$ 105 mil para o gabinete do prefeito quando o carro que o gabinete já possuía em serviço poderia atender muito bem os compromissos do chefe do executivo.

Conforme apontado pelo vereador Claudinei Xavier em outra sessão, que tratava sobre o novo contrato de coleta de resíduos para o município, coerência e responsabilidade com o uso do dinheiro público não parecem mesmo estar entre os pontos fortes da atual administração. Xavier apontou que o aumento nos gastos com o lixo, que saltou de cerca de R$ 8 milhões para quase R$ 22 milhões em 2018, demonstra a incoerência financeiro-administrativa do governo Sato. Com essa cifra, a atual administração de Ubatuba pretende gastar mais com o lixo do que com o único hospital da cidade, a Santa Casa, cuja previsão de repasse para este ano gira em torno de R$ 19 milhões.

Somados a isso, a previsão de gastos no valor de R$ 4,5 milhões para a propaganda institucional da prefeitura intitulada “Comunicação para Todos", a contratação de um escritório de advocacia particular no valor de cerca de R$ 12 milhões apesar da prefeitura ter equipe jurídica própria e a falta de transparência nas arrecadações da COMTUR e da Zona Azul, são alguns exemplos da desorientação financeira da equipe do prefeito, que continua a alegar situação orçamentária escassa. Todos esses valores previstos serão pagos com o dinheiro arrecadado dos munícipes. É dinheiro do contribuinte que não está voltando em serviços para a população.

Agenda em Miami durante o estado de emergência do município.

Causando estranheza na população, o prefeito Sato, acompanhado de sua esposa e membros de sua equipe, recentemente decidiu cumprir agenda em uma feira de Turismo na paradisíaca Fort Lauderdale em Miami, nos Estados Unidos. Durante o tempo que em o prefeito e a equipe desfrutavam a viagem para Miami, Ubatuba ainda enfrentava sérios problemas causados pelas chuvas de março: alagamentos, deslizamentos de terra, pessoas desalojadas, prejuízos em todo o comércio, escolas inundadas e sem aulas, além das consequências de um grave deslizamento de terra no bairro Sesmarias que causou a morte de uma moradora.

Tal fato incitou o vereador Bibi a pedir esclarecimento público sobre a agenda e os gastos com a viagem oficial do prefeito e sua comitiva. “Que o prefeito explique certinho o que ele foi fazer nos Estados Unidos enquanto nossa cidade estava em estado de emergência, enquanto a gente ficou nos bairros preocupados com as pessoas. E se acontecesse uma tragédia? O capitão não pode abandonar o barco! E o vice só assume após 15 dias de afastamento do prefeito, então nós ficamos literalmente sem prefeito na nossa cidade, e os vereadores apanhando na rua. Já que ele usa a rede social para tudo, que ele explique o que foi fazer nos Estados Unidos enquanto a cidade em que ele é prefeito ficou abandonada. Mas ele (Sato) ficou omisso como se nada tivesse acontecido”.

[ Charge ]_______________________________