• Da Redação

Animal desnutrido precisa de cuidados especiais. Não é só encher de comida

Não importa o grau de desnutrição do animal, a alimentação tem que ser introduzida com cuidado. Afinal, o animal passou longos períodos sem comer e encher de comida de uma hora para outra pode acabar fazendo mais mal do que bem.

Na semana passada, conversamos sobre a responsabilidade social de se resgatar um animal em situação de abandono ou doença. Sim, é dever de todos. E lógico, quem resgata, mesmo sem saber, se depara com uma série de problemas de saúde que nunca poderia imaginar.

Animais em estado deplorável, com ferimentos ou tumores, lacerados ou não, acabam geralmente nas mãos de protetores. Animais com doenças não visíveis e com desnutrição acabam nas casas de pessoas comuns e que se solidarizam com a situação do animal.

A desnutrição é cruel. E pode ser causada por longos períodos sem a quantidade necessária de alimento, por doenças e, no caso de gatas e cadelas lactantes, por estarem amamentando as crias sem ingerirem a quantidade necessária de alimento para nutrirem os bebês e a si mesmas. É ou não é cruel demais?

E, de repente, você resgatou um animal em estado de desnutrição. Mas, não importa o grau de desnutrição do animal, existem alguns cuidados básicos que devem ser seguidos. Não é só levar para casa e encher de comida.

  • Em primeiro lugar, leve o animal para uma consulta com um médico veterinário. Mesmo que a desnutrição seja leve, é importante saber se ele está nesse estado apenas por fome ou se tem alguma doença ou infecção que provocou a desnutrição.

  • Em qualquer um dos casos, se a desnutrição for leve, você pode começar a alimentá-lo com uma ração super premium e algumas latinhas de ração pastosa de recuperação. Aqui vale a dica, se ele tiver algum problema a mais, como problemas digestivos, renais ou alérgico, existem rações pastosas de recuperação específicas para esses casos.

  • Em estados de desnutrição moderada a grave, é importante suplementar a alimentação com latas de ração pastosa específicas para recuperação dos animais como a A/D ou a Recovery. Na verdade, quanto pior o estado de desnutrição mais importante é a introdução de alimentos úmidos para que o aparelho digestivo do animal possa voltar à atividade aos poucos e de forma suave, sem grandes impactos. Assim que o animal for acostumando a digerir a ração pastosa, você pode ir acrescentando algumas pequenas porções de ração seca que, no caso de animais mais desnutridos, pode ser a ração para filhotes que contém mais proteína e mais minerais.

  • Outra suplementação importante para o animal em recuperação é a de vitaminas. Mas elas só devem ser administradas quando prescritas por um médico veterinário. Mais um motivo para passar o animal pela avaliação do médico veterinário logo que for resgatado.

  • Em alguns casos mais graves, será importante fazer a transição antes de oferecer a ração seca. Faça isso oferecendo porções da ração seca batidas no liquidificador com água. Além de preparar o organismo do animal para a ração seca, ajudará a hidratar melhor o organismo por mais um tempo.

  • Nos casos muito graves de desnutrição, o animal precisará ficar internado e, junto com a alimentação pastosa, deverá receber fluidoterapia (soro) para recuperar a hidratação e as funções básicas do organismo, danificadas pelo alto grau de desnutrição ou por alguma doença.

  • Em qualquer um desses casos, desde a desnutrição leve à mais severa, a alimentação deve ser oferecida em várias pequenas porções ao longo do dia para evitar sobrecarregar o aparelho digestivo do animal.

  • A quantidade de comida oferecida também é importante. E deve ser orientada pelo médico veterinário. Não adianta encher o animal de comida se for sobrecarregar o aparelho digestivo. Por isso, é importante não só dividir a quantidade diária em pequenas porções, como oferecer a quantidade de comida que ele possa digerir, dependendo do estado físico dele. É lógico que nos casos em que não existem doenças envolvidas e o aparelho digestivo do animal não apresentar problemas, a quantidade de alimento oferecido pode ser generosa.

  • Lembrando que em qualquer um dos casos, seja de desnutrição leve, severa ou com doenças envolvidas, petiscos estão proibidos! Principalmente aqueles ossos que são feitos de couro e gelatina. O aparelho digestivo do animal não está, de forma alguma, preparado para digerir petiscos. Isso poderá trazer problemas sérios de saúde para o pet e, até mesmo, causar a morte do animal se algum pedaço mal digerido causar uma obstrução e você não perceber a tempo.

  • Nos animais em que a desnutrição seja causada por alguma doença ou infecção, esta deve ser tratada estritamente de acordo com as orientações do médico veterinário.

  • A recuperação do animal desnutrido pode ser feita com ração ou com alimentação natural (comida caseira feita exclusivamente para o pet). A maioria dos animais, inclusive, tende a ser mais suscetível à alimentação com comida caseira que inclua uma quantidade razoável de proteína animal, principalmente os gatos. Qualquer uma das duas dietas deve ser suplementada com a ração pastosa de recuperação. Mas lembre-se, a comida caseira deve ser feita exclusivamente para o pet sem o uso de temperos e alimentos proibidos na alimentação de cães e gatos. Se você não tiver conhecimento sobre esse assunto, melhor alimentar com ração. E, o ideal é sempre oferecer uma ou outra dieta para que o aparelho digestivo não entre em choque.

Com todos esses cuidados, logo, logo, o animal estará recuperado, no peso ideal e pronto para a adoção! Ou para viver uma vida longa e feliz ao seu lado!

[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.

[ Últimas Notícias ]________________________