• Da Redação

Pressionado pela população, Délcio Sato recua de projeto que aumentaria o próprio salário

Vereadores aprovaram por unanimidade o reajuste salarial de funcionários públicos municipais, incluindo secretários e comissionados do primeiro escalão.

Délcio Sato - Foto: Divulgação

Em meio à insatisfação geral da população diante das condições de completo abandono da cidade, o prefeito Sato surpreendeu novamente seus munícipes na noite de ontem (19), ao enviar proposta legislativa que autorizaria o aumento do próprio salário.

A lei, que anualmente é enviada pelo Executivo para corrigir as defasagens inflacionárias dos funcionários públicos, este ano surpreendeu os contribuintes do município com a inclusão de agentes políticos (prefeito, vice-prefeito e secretários), no rol dos funcionários que receberiam o reajuste salarial. Na versão legislativa de Sato, o reajuste de 7,55% seria pago, além dos secretários, também a si próprio e ao vice-prefeito.

A população mostrou revolta nas redes sociais e reagiu de imediato, criticando ostensivamente a intenção do chefe do Executivo. Sob a hashtag #ubatubapedesocorro, desabafos de moradores revoltados inundaram as redes, protestando sobre o reajuste do prefeito. Sobre os comissionados, os internautas se manifestaram: “Com o salário que ganham não deveriam pensar em reajuste, deveriam deixar o dinheiro para a cidade”. Já com relação ao prefeito, as críticas foram ferozes e contundentes: “Ele deveria era perder o salário, não está fazendo nada e ainda quer aumento, que safadeza!”, afirmou um munícipe.

Com a alegação de que a proposta legislativa de reajuste do prefeito seria “suportável às finanças municipais”, Ralph L. Soares, secretário de Finanças do município, assinou a justificativa do projeto do Executivo enviado à Câmara. Tal fato causou ainda mais revolta nos contribuintes, já que o atual governo atribui, frequentemente, sua completa incompetência administrativa às restrições orçamentárias da cidade. “Quando se fala em melhoria na cidade alegam que não têm recursos, mas para aumento dos próprios salários os recursos aparecem (...)”, afirmou outro morador.

O recuo e a falta de transparência em administrar

As repercussões negativas horas antes da sessão, porém, obrigaram o prefeito a recuar. Constatando que seu reajuste não seria aprovado pelos vereadores, o prefeito enviou um substitutivo, modificando o texto da proposta de lei, em que os cargos de prefeito e vice-prefeito não seriam contemplados com o aumento.

O reajuste dos funcionários públicos ativos e inativos, bem como o reajuste dos assessores e cargos comissionados, porém, permaneceu inalterado no projeto de lei e foi aprovado por unanimidade pelos vereadores na noite de ontem.

O estilo obscuro, sorrateiro, desencontrado e com falhas técnicas na propositura de leis do atual chefe do Executivo já é conhecido pelos moradores de Ubatuba. Após alegar regime de "extrema urgência” aprovando uma reforma administrativa em pleno feriado municipal, Sato, em julho do ano passado, também tentou, sem sucesso e de forma furtiva, aprovar um empréstimo de verbas públicas de R$ 20 milhões à Companhia Municipal de Turismo (COMTUR).

A baixa popularidade do prefeito

Constantemente rodeado por comissionados em eventos oficiais ou produzindo material de marketing para suas redes sociais, o prefeito Décio Sato, que já iniciou seu terceiro ano de mandato, parece ter se esquecido dos anseios da população que o elegeu. Nas ruas e nas redes sociais, são constantes as manifestações de insatisfação da população com a ineficiência administrativa de Sato: “Eu votei nesse prefeito e fiz campanha para ele, mas até agora, foram só decepções”, afirmou, frustrada, uma liderança do bairro Sesmarias.

Posts Relacionados

Ver tudo
[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.