• G1 Vale do Paraíba e Região

Técnicos inspecionam encosta na Rio-Santos em São Sebastião

Trecho na Cigarras, no km 118,8, está interditado desde a noite de sábado (18) por risco de deslizamento. Prefeitura faz liberações esporádicas durante o dia.

Um dos locais onde houve queda de barreira na rodovia Rio-Santos — Foto: André Luís Rosa/TV Vanguarda

Técnicos da Defesa Civil e do Instituto Geológico analisam o risco de novos deslizamentos de terra nas encostas às margens da Rio-Santos (SP-55) em São Sebastião. A rodovia, no km 118,8, no bairro Cigarras, está fechada desde a noite do último sábado (18). A prefeitura fez duas liberações ao tráfego, com uma hora cada, em horários de pico nesta segunda-feira (20).

A chuva que castigou o litoral norte de São Paulo entre quinta-feira (16) e domingo (19) encharcou o solo e causou deslizamentos na região - os mais críticos no km 118,8 da Rio-Santos e no Piúva, em Ilhabela. São Sebastião decretou situação de emergência.

De acordo com a prefeitura, a Rio-Santos foi liberada por uma hora, por volta das 8h. Entre 11h20 e 12h20 houve nova liberação ao tráfego. A previsão é que um novo desbloqueio ocorra às 18h.

Os horários escolhidos são os considerados de pico e o trânsito opera, a cada liberação, por meia-hora sentido bairro e meia-hora no sentido oposto. Nos demais horários, a prefeitura oferece botes para o traslado pelo mar entre a Cigarras e São Francisco.

Por causa da interdição na rodovia, as aulas em toda a rede pública foram suspensas. A prefeitura informou que a previsão de retomada também depende do resultado do laudo.

Apenas as creches estão funcionando, com exceção de três unidades em bairros atingidos - Maria Leonarda, no bairro da Enseada; Costa Norte, no Centro e creche Maria Fernanda, no Topolândia.

Bote é oferecido à população para translado entre a região da praia das Cigarras e o Centro em São Sebastião — Foto: Prefeitura de São Sebastião/Divulgação

Desalojados

Além de fechar a estrada, as quedas de barreira e deslizamentos atingiram moradias e deixaram outras em risco.

De acordo com a prefeitura, 27 pessoas estão desabrigadas porque as casas foram condenadas depois de serem atingidas ou de terem o entorno afetado por deslizamentos de terra.

As vítimas são dos bairros Topolândia, Olaria, Barequeçaba e Maresias, e foram encaminhadas para a casa de amigos ou parentes. Em nota, a prefeitura informou que eles vão ser incluídos nos programas habitacionais do governo.

Além destas pessoas, outras 124 estão desalojadas por causa de risco de novos deslizamentos. Os moradores são dos bairros Itatinga, São Francisco, Barequeçaba e Topolândia. Eles também estão na casa de amigos e parentes e aguardam novos laudos da Defesa Civil para retornarem aos imóveis.

[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.