• Fonte: Prefeitura de São Sebastião

Prefeitura de São Sebastião implanta projeto ‘Horta Educativa’ nas escolas

Cinco mil crianças da rede municipal participam do programa.

Foto: Divulgação/PMSS

Semear o futuro. Educação, saúde e preservação. Esses pilares formam o ‘Projeto Horta Educativa’, idealizado pela primeira-dama e presidente do Fundo Social de São Sebastião, Michelli Veneziani, em parceria com as secretarias da Educação (SEDUC), Meio Ambiente (SEMAM) e demais pastas, que começou em 2018, na rede municipal de ensino. As primeiras escolas a receberem as hortas foram a EM Solange de Paula, na Enseada, Costa Norte e EMEI Chapeuzinho Vermelho, bairro São Francisco, região central.

O coordenador do projeto, professor de Ciências da rede municipal de ensino, Guilherme Acien Ruiz disse que em maio deste ano, houve um aumento no número de escolas participantes. “Com o apoio da primeira-dama e presidente do Fundo Social, Michelli Veneziani, mais unidades escolares aderiram ao projeto e a intenção é implantá-lo em toda a rede”, afirmou Ruiz.

Atualmente, 11 escolas estão com canteiros: EM Solange de Paula, EM Cynthia Cliquet Luciano e EMEI Pônei Azul, ambas no bairro da Enseada e EM Professora Joana Alves dos Reis, Canto do Mar, todas na costa norte. Na região central, EM Walfrido Maciel Monteiro, Morro do Abrigo; EMEI Chapeuzinho Vermelho, São Francisco, EM Henrique Botelho, Vila Amélia e EM Profa. Luiza Helena de Barros, Barequeçaba. Na Costa Sul, EM Profo. Antônio Luiz Monteiro, EM Profa. Guiomar Aparecida da Conceição Souza e EMEI Alegria das Crianças, todas em Boiçucanga.

Aproximadamente, cinco mil crianças e adolescentes, do 1º ao 9º ano, participam do projeto que incentiva a produção de alimentos saudáveis. As hortaliças, ervas, chás e temperos, tais como, rúcula, alface, salsinha, cebolinha, manjericão, e outros, são utilizados na alimentação escolar e os alunos também podem levar para casa. Outro cuidado com os estudantes acontece na EM Professora Joana Alves dos Reis, no bairro Canto do Mar, onde existe uma horta sensorial, composta por cheiro verde, hortelã, coentro, manjericão, ou seja, componentes com texturas e cheiros para estimular ainda mais os sentidos dos alunos especiais da educação inclusiva.

Segundo o professor Ruiz, as mudas são cultivadas no Viveiro Municipal, na Reserve Du Moulin e restos de lixo orgânico são utilizados na compostagem para terra e adubo. Todo o material utilizado para a construção dos canteiros é reciclado. Ainda de acordo com ele, as placas indicativas, com os nomes de cada verdura foram confeccionadas e doadas pelo Fundo Social. Todos os dias, a equipe gestora de cada escola, acompanha os estudantes para os cuidados com a horta. O programa já foi apresentado no Congresso do Empreendedorismo Sustentável e na 4ª Jornada Pedagógica, em junho e julho deste ano, respectivamente.

Foto: Divulgação/PMSS

[ Charge ]_______________________________

Deixe aqui sua opinião de tema e comentários

Obrigado! Mensagem enviada.